As comparações podem enganar-nos

Certamente já reparaste que adoramos fazer comparações?
São uma forma de referenciar as coisas que nos rodeiam, maiores, menores, mais isto ou menos aquilo do que outras. Permitem-nos criar um mapa da realidade - um modelo do mundo, como lhe chamamos em PNL.
Tudo bem.
O problema é que fazemos isso em relação a nós mesmos, comparando-nos com outros, e nem sempre de uma forma saudável.
De que nos serve comparar um comportamento nosso num dado contexto com o comportamento (ou ‘performance’) de outros num contexto muito diferente?
Ou comparar a competência que estamos a desenvolver com a de um especialista nessa área?
Até podemos fazê-lo, e isso é muito útil, quando partimos de uma perspectiva de aperfeiçoamento.
Então comparas comportamentos e resultados, porque queres melhorar as tuas competências.
Mas não permitas que as comparações te diminuam como pessoa!

O efeito mais pernicioso das comparações mal feitas é diminuir a nossa auto confiança.
A primeira grande pergunta que sugiro é ‘Estou a comparar-me com quem, em que contexto e com que critério?’ E depois: ‘Esta comparação serve-me para quê?’
Considera estas afirmações, conferindo o teu grau de concordância.

  1. Confiança é uma atitude genérica da mente gerando sentimentos positivos que podem ser aplicados a qualquer situação.
  2. Familiaridade é frequentemente confundida com confiança.
  3. A verdadeira confiança só é testada em território não familiar.
  4. A comparação serve para ganhar informação acerca de como outros fizeram para obter resultados.
  5. Não ganho nada ao comparar-me com outros.
  6. Julgar outra pessoa bloqueará a minha capacidade de compreender.
  7. Julgar-me a mim bloqueará a minha confiança.
  8. O meu perfil e valores pessoais influenciam a forma como dirijo a atenção, mas não determinam a minha auto-confiança.
  9. Aquilo em que acredito determina as atitudes que tomo e a confiança em que as envolvo.

As comparações mal feitas provêm de crenças mal formuladas acerca do nosso valor como pessoa.
Dependendo do que acreditas, tu elaboras regras para ti mesmo acerca do que podes ou não fazer e da energia que colocas em cada actividade ou desafio. Testa as tuas regras mudando as crenças. Testa as crenças, desafiando as regras.

A PNL (Programação Neuro Linguística) é uma metodologia da excelência humana, com provas dadas desde 1975 que pode ser experimentada em ambiente de coaching ou através de formação qualificada. Contacta comigo, se queres dar um avanço com resultados neste domínio. Há mais de 10 ano a ajudar pessoas a comunicar com qualidade e manifestarem o melhor de si.

Carlos Baltazar
Publicado em 28/03/2022

Próximo ArtigoA importância de ser importante